Navegação e conteúdo

Explicação do seguro de carga

Saiba por que motivo os expedidores precisam de uma apólice de seguro de carga e como reduzir o seu risco


Um incêndio de produtos químicos no navio de carga MV Express Pearl junto à costa de Colombo, Sri Lanka, em maio de 2021, lembra-nos que as mercadorias valiosas podem ser perdidas e danificadas em trânsito; a carga também pode ser roubada durante o transporte.

O que pode correr mal?


Em maio de 2021, fomos recordados de que a carga pode sofrer perdas e danos irreparáveis em trânsito. As notícias que chegavam de hora a hora do Sri Lanka descreviam um incêndio de produtos químicos que varria o navio de cargo MV Express Pearl enquanto a embarcação se debatia para sobreviver nas águas junto à capital e maior porto de Colombo. Todos os membros da tripulação foram salvos pela marinha do Sri Lanka, mas o navio e os seus contentores de frete ficaram catastroficamente danificados.

Falhas marítimas

Embora raras, as grandes falhas marítimas tendem a ser espetaculares. Uma das maiores de que há registo é a destruição do MOL Comfort, que se partiu em dois em meados de 2013, enviando quase 4300 contentores para o fundo do Oceano Índico. Felizmente, toda a tripulação sobreviveu ao abandonar o navio de forma rápida e segura.

A pesquisa do World Shipping Council (WSC) em 2017 indicava que, em qualquer momento, cerca de 6000 navios porta-contentores estão ativos nos mares e vias navegáveis do mundo. Este volume de carga ascende a cerca de 90% de todo o comércio mundial.

Incidentes aéreos

Estatisticamente, os céus oferecem a forma mais segura de viajar, mas, por vezes, o frete aéreo pode, ainda assim, sofrer dados e perdas de carga. Os incidentes famosos incluem o do voo de carga 8640 da Lufthansa, em 2010, que embateu no solo com demasiada intensidade em Riade, na Arábia Saudita, e se partiu na pista, com um incêndio a destruir a secção central do avião. O comandante e o copiloto a bordo conseguiram fugir, mas sofreram ferimentos.

Perdas em terra

Os acidentes rodoviários são responsáveis por níveis significativos de perdas de carga todos os anos. Além disso, o roubo de carga é uma ameaça crescente, que ocorre em paragens de camiões, estacionamento na beira da estrada e até mesmo com assaltos a depósitos de camiões. Veículos e atrelados inteiros podem ser roubados à mão armada e, enquanto o condutor faz uma pausa, o veículo pode ser aberto à força e o seu interior esvaziado. Alimentos, bebidas, álcool e tabaco são os artigos mais frequentemente roubados, tal como as peças para automóveis e os produtos eletrónicos.

Os acidentes ferroviários são relativamente menos e mais espaçados, mas houve, por exemplo, um conjunto de descarrilamentos em março de 2021. Mais de 40 vagões que transportavam carga mista, incluindo materiais perigosos, chocaram com as areias do deserto do Sul da Califórnia. Outros 20 vagões de um comboio de mercadorias descarrilaram na região siberiana da Rússia e mais de 20 vagões descarrilaram em Plymouth, MN, felizmente, todos sem ferimentos. E apenas algumas semanas depois, dois comboios de mercadorias colidiram na República Checa.

A perda de cargas também ocorre durante o armazenamento. A explosão catastrófica de um armazém em 2020 no porto da cidade de Beirute resultou numa estimativa de 15 mil milhões de USD em danos patrimoniais e, tragicamente, 200 mortes e 7500 feridos.

Quanto se perde?


As perdas de carga em contentores num determinado ano variam substancialmente. Em 2020, quando o tráfego marítimo global era significativamente inferior devido à pandemia da COVID-19, quase 2000 contentores foram perdidos num único incidente em dezembro – este “massacre de carga” foi sofrido pelo navio porta-contentores ONE Apus 1600 milhas náuticas a noroeste do Havai.

Se considerarmos o roubo de carga, os registos estimam o custo em dezenas de milhar de milhões de USD todos os anos em todo o mundo. Em 2015, o British Standards Institute avaliou o custo do crime global relacionado com carga em 22,6 mil milhões de USD e, mais recentemente, a análise sugere que só os EUA têm agora um problema de 15 a 30 mil milhões de dólares.

Na região da EMEA, os incidentes com roubo de carga duplicaram entre 2018 e 2019 (aumentando de 3981 para 8548 incidentes), com um valor médio resultante de “crimes graves relacionados com carga” de 641 200 USD, de acordo com a Transport Asset Protection Association. Em dois incidentes separados, peças de automóveis no valor de mais de 2 000 000 USD foram roubadas de camiões na Roménia e na Alemanha. No incidente mais espetacular de todos, foram roubados metais preciosos e joias no valor de quase 21 milhões de USD de instalações na África do Sul.

O que mais pode acontecer?


Juntamente com os acidentes e crimes no mar, no ar e em terra que fazem manchetes, há uma variedade de pequenos e, por vezes, bastante banais eventos de perda. Embora devam ser sempre tomadas medidas para proteger contra a perda de carga, as probabilidades de danos ou perda de carga em trânsito são muito maiores do que, digamos, um incêndio numa casa.

Se um contentor ou algum item de carga cair ou se partir, isto pode causar danos físicos à carga. Outro risco são os danos húmidos, normalmente causados por humidade, condensação, chuva e entrada de água do mar. Além disso, a carga pode ser danificada por contaminação e infestação e pode sofrer danos relacionados com a temperatura se as mercadorias forem perecíveis. E a ameaça oportunista é um perigo constante.

Os motivos para estes eventos de perda de carga podem incluir embalagens inadequadas ou insuficientes para proteger a carga, a utilização do tipo de contentor incorreto, a falha em manter as definições de temperatura e humidade corretas num contentor com regulação da temperatura, a sobrecarga e distribuição incorreta do peso, e a etiquetagem incorreta, especialmente para mercadorias perigosas, levando ao acondicionamento incorreto, bem como a falhas de segurança e supervisão.

Com todos estes riscos em mente, há um argumento forte a favor de obter uma boa apólice de seguro de carga, em vez de depender das convenções de frete internacional para indemnização.

Como pode reduzir o risco?


Identificámos alguns eventos catastróficos com cargas, juntamente com outros eventos de perda de carga mais comuns que ocorrem diariamente em todo o mundo. A perda e os danos em carga devem-se frequentemente a negligência, falta de experiência, preguiça e atalhos para economizar custos. O descuido, a pouca atenção aos detalhes, as embalagens insuficientes e os criminosos oportunistas aumentam inevitavelmente o risco para o expedidor. Agora, vamos explorar o enorme risco financeiro de depender das convenções internacionais de frete para obter indemnização, em vez de obter uma boa apólice de seguro de carga.

Vários pontos de tratamento

Na verdade, todas estas coisas podem acontecer quando um envio internacional implica vários pontos de tratamento. Durante uma viagem, há várias partes interessadas ou “mãos” que entram em contacto com o envio.

Estas incluem fornecedores e contratados que carregam a carga, bem como fornecedores de logística, por exemplo, para armazéns centrais ou para o armazém no porto marítimo ou terminal de aeroporto. E há os estivadores que deslocam as mercadorias no porto ou aeroporto para o navio ou a aeronave. A adicionar a isto, a carga tem de ser verificada e processada pelos funcionários da alfândega e deslocada nos armazéns da alfândega. E quando as mercadorias chegam finalmente ao país de destino, precisam frequentemente de uma viagem final de camião para chegar ao destinatário.

Indemnização por danos

Embora existam convenções internacionais para indemnização quando a carga é danificada ou perdida, o pagamento é muito inferior ao valor das mercadorias. Isto deve-se ao facto de os reembolsos por responsabilidade de frete serem normalmente baseados no peso da carga e não no valor da carga. Além disso o proprietário da carga tem de provar, de forma crítica, que o transportador foi negligente, um processo de contraditório que pode demorar meses e, logicamente, exclui sempre qualquer tipo de desastre natural ou “evento natural” pelo qual o transportador nunca pode ser responsabilizado.

Cuidado com a diferença


Para compreender o motivo por que os expedidores precisam de uma apólice de seguro de carga, vejamos a diferença entre a indemnização sem seguro (de acordo com as convenções internacionais de responsabilidade de frete e com base no peso da carga) e a indemnização com seguro (com base no valor total da carga). Os cálculos das indemnizações diferem consoante o modo de transporte, pelo que apresentamos dois exemplos – um envolve o frete aéreo, o outro o frete marítimo.

Envio por mar

No nosso primeiro exemplo, duas fresadoras com um peso combinado de 2850 kg são transportadas por mar e perdidas em trânsito. Assumindo que o transportador é considerado responsável e que a reclamação está sujeita a responsabilidade de frete, ao abrigo das regras de Haia-Visby com base no peso, o expedidor recebe apenas 7980 USD de indemnização, muito menos do que o valor das máquinas. Mas com uma apólice de seguro de carga em vigor, o expedidor recebe o valor total de ambas as máquinas na indemnização, sem incorrer em quaisquer perdas financeiras para o negócio. Há uma grande diferença: 7980 USD versus 70 000 USD!

Envio por transporte aéreo

No nosso segundo exemplo, um envio de malas e acessórios de luxo é completamente destruído durante o transporte aéreo. Com este envio, o valor da carga é elevado, mas o peso é relativamente baixo – as mercadorias valem 120 000 USD e a remessa total pesa 1560 kg. Mais uma vez, assumimos que o transportador é responsável e que a reclamação está sujeita a responsabilidade de frete, desta vez ao abrigo da Convenção de Montreal. Sem seguro, o expedidor receberia uma indemnização de apenas 34 320 USD, mas com uma apólice de seguro de carga, receberia 120 000 USD.

Distração indesejada

Quando não tem uma apólice de seguro de carga, obter uma indemnização pode ser um processo moroso que distrai a sua equipa de envio das suas outras tarefas importantes, sem qualquer garantia de sucesso. Por isso, faz sentido, no mínimo, considerar segurar a sua carga antes de a transportar, por muito rotineiro que o transporte pareça.

Comprar a apólice de seguro de carga certa

Tal como com qualquer seguro, é importante garantir que a sua apólice de seguro de carga satisfaz as necessidades do seu negócio específico, uma vez que as diferenças entre uma boa e uma má apólice podem custar caro ao seu negócio.

Tem um desafio específico de envio para o qual gostaria de ter a nossa ajuda?


Os nossos especialistas em envios estão prontos para ajudar