Portugal
#PequenasEMédiasEmpresas
A crescente procura por moda sob medida
DHL Express
DHL Express
5 min de leitura
Partilhar em
facebook sharing button
linkedin sharing button
Smart Share Buttons Icon Partilhar

Personalizado, partilhável, único e entregue rapidamente – os compradores online agora esperam que as suas lojas de comércio eletrónico ofereçam mais do que apenas uma boa escolha.

A moda já não é sobre coleções em quatro estações, com períodos movimentados e a acontecer em horários previsíveis. Agora é implacavelmente responsivo, com várias marcas a oferecer produtos sob medida, sob procura, globalmente. 

O calçado deu os maiores passos. Além do portal online, que deu origem ao lançamento do serviço, o NikeID conta hoje com 102 estúdios em todo o mundo. Então, se quiser um par de sapatilhas rosa personalizadas com o logotipo prateado da Nike (e convenhamos, quem não quer), a gigante do vestuário desportivo irá criá-las para si.

O modelo NikeID passou de um nicho de marketing para o mainstream do consumidor e não há razão para que os proprietários de pequenas empresas não se convidem para essa festa potencialmente lucrativa.

 

44% dos consumidores em todo o mundo estariam abertos a comprar produtos de empresas fora do estilo tradicional de venda.

22% dos adultos americanos já ofereceram um produto ou serviço como parte da economia partilhada.

70% dos compradores de roupas da Geração Z estão interessados em assinaturas de moda com curadoria mensal.

 

Os padrões de compra estão a mudar e a indústria da moda é o catalisador, de acordo com um novo estudo da DHL. O ‘Fast Fashion’ tem gerado lucros para empresas como ASOS e H&M há décadas. “Os designers veem a cadeia de abastecimento como parte da sua estratégia e construção da marca”, afirma o relatório. Em essência, ser inteligente com a sua logística pode proporcionar uma vantagem comercial não apenas na aquisição e fornecimento do seu stock, mas também no seu design real.

Impulsionado pela digitalização e pela tecnologia, o modelo comercial tradicional de Design - Planear - Fonte - Fazer - Entregar está a ser substituído por um que coloca o designer – ou o proprietário da empresa de comércio eletrónico – no centro.

Isso significa que o designer (ou curador da loja online) pode conectar-se com todos os colaboradores – desde as pessoas que fornecem os materiais até ao comprador final, usando os dados mais recentes, por exemplo, redes sociais ou tendências do Google, para atualizar decisões, mudar estilos e tornar a fabricação mais ágil.

Partilhar conhecimento num espírito de abertura é vital – até ao ponto de colaborar com outros designers que utilizam o mesmo fornecedor, a fim de escalar a produção e satisfazer as prioridades de todos.

Em suma, a velha abordagem do “pensamento em silo” simplesmente não é sustentável. Os fornecedores que não estiverem preparados para se adaptar seguirão o caminho do dinossauro. E os proprietários das empresas são aconselhados a contratar vários fornecedores com mentalidade semelhante para ajudá-los a alcançar as necessidades cada vez mais dinâmicas dos seus clientes finais.

Depois dos produtos serem fabricados, precisam de ser entregues e, mais uma vez, esta abordagem flexível e colaborativa da logística está no centro de tudo. Produções menores e uma maior variedade de locais de entrega (refletindo onde a procura é mais forte) exigem uma empresa de entrega com atitude e aptidão para “flexibilizar”.

A evolução da “Cadeia de Fornecimento Centrada no Ser Humano” tem sido impulsionada pela forma como o mundo compra hoje; mais imediato, mais caprichoso, mais exigente. Não surpreende, então, que a indústria da moda tenha liderado o caminho.

A cadeia de suprimentos centrada no ser humano

O Conselho de Designers de Moda da América (CFDA) trabalhou com a DHL e em colaboração com a Accenture, parceira de inovação da CFDA, para desenvolver um novo relatório sobre o futuro da cadeia de suprimentos da indústria da moda. Baixe sua cópia GRATUITA hoje.

A cadeia de suprimentos centrada no ser humano
A cadeia de suprimentos centrada no ser humano